Rubéola, um perigo durante a gravidez

A Rubéola é uma doença que se instala em qualquer ser humano, e os seus efeitos não são nada aconselháveis. Nas grávidas a Rubéola é muito mais perigosa porque, para além do corpo da mulher, há ainda outro corpo a formar-se no seu interior. Transmite-se através da respiração, e a sua proveniência tem por base um vírus altamente infeccioso.

Sintomas da rubéola

A Rubéola é facilmente transmitida de pessoa para pessoa, e é por esse motivo que a sua atuação e proliferação é motivo de tamanha preocupação para todos. Normalmente, os sintomas são:

  • as habituais dores de cabeça,
  • febre baixa,
  • falta de apetite,
  • aumento de secreção nasal,
  • a tosse,
  • as dores nas articulações são também muito comuns.

Estes sintomas, quando realmente comprovados, causam graves preocupações para os médicos pois, a Rubéola passa de imediato para o feto, embora a sua ação varie consoante as semanas de gravidez.

A pessoa é infectada mas, os primeiros sinais exteriores, ou seja, as pintinhas por toda a pele, só surgem uma semana após a transmissão, assim como a doença persiste mesmo quando as pintas desaparecerem.

A transmissão da Rubéola só ocorre quando o contacto com o doente é de alguma forma demorado mas, ainda assim, uma pessoa que já tenha tido esta doença não está totalmente segura, caso esteja novamente em contacto com uma pessoa infectada.

Quando recorrer a um especialista para ver o que se passa, ele irá propor-lhe um exame que ao dar o prognóstico final, confirmará ou não a actuação da Rubéola no seu corpo. Todavia, mesmo que o exame confirme positividade da doença convém fazer mais um teste, de maneira a confirmar o primeiro e ver se as indicações são idênticas.

A reinfecção pode acontecer se ficar exposta muito tempo a uma pessoa infectada. Se a pessoa estiver grávida os riscos são os mesmos e acabam mesmo por serem duplicados. A grávida, quanto mais cedo ficar infetada, mais nefastas serão as consequências.

Os riscos da rubéola para o bebé

até á 11ª semana de gravidez

Caso a infecção se dê antes da 11ª semana de gravidez, o feto ficará afetado na sua formação. Pode ser atingido por cataratas, surdez, retardo mental, retinopatia, microcefalia, entre outros problemas de igual gravidade.

Mais tarde, os diabetes e as doenças de foro psiquiátrico são associados à infeção de que foram alvo, enquanto feto, embora isto só se aplique para os fetos com menos de 11ª semanas de gestação.

Entre a 11ª e a 16ª semana de gravidez

Se a infecção acontecer entre a 11ª semana e a 16ª semana, o feto pode sofrer problemas auditivos ou perturbações ao nível da área neuromotora.

Após a 18ª semana de gravidez

Quando atinge a mulher grávida e o feto, após a 18ª semana, já não constitui problema de maior para esse novo ser que se transforma dentro de si.

Infelizmente não existe qualquer tipo de tratamento eficaz para a Rubéola. Por isso, deve fazer de imediato um exame de sangue, com pesquisa de ação sorológica. Assim, saberá se é imune ou se é melhor recorrer à vacinação. Todos os testes e exames devem ser sempre efetuados duas vezes, para que não se corram riscos nem se tenha que recorrer a medidas drásticas.

A Rubéola é de facto perigosa e todo o cuidado é pouco. Aconselhe-se com o seu médico, e faça a vacinação adequada caso seja mesmo necessário. Por agora, tome cuidado e não esqueça as informações que aqui lhe deixamos.

Classificação
A sua opinião
[Total: 8 Média: 2.9]