Um “milagre” ou uma brincadeira do destino

Casei com 21 anos, os médicos diziam que o meu marido não podia ter filhos, mas tentemos uma operação que nos dava algumas esperanças. Um mês apos a operação foi nos dito que o problema se mantinha.

Mas sem saber fiquei gravida, aos 2 meses tive problemas e tive de tomar medicamentos para não abortar, aos 5 meses o bebe parou de crescer, e para piorar as coisas tive ruptura do saco amniótico prematura, e o bebe segundo a eco teria uma cabeça excessivamente pequena. Fui internada durante 1 mês, nasceu de cesariana (a qual não pude apanhar anestesia, e jurei não querer mais filhos) aos 6 meses a Jessica com 1600 grs. só a pude ver 3 dias após o nascimento. Afinal tudo correu bem ela tem hoje 10 quase 11 anos e anda no 6º ano e é linda.

Após 5 anos tive a Eliana de parto normal, mais uma vez disse que mais filhos “NÂO”. Tive 3 dias com as dores até lhe poder ver o rosto com uns olhos enormes e uma enorme cabeleira. E LINDA LINDA.

Após o divórcio com o pai delas. Numa brincadeira conheci o Carlos aqui mesmo na internet conhecemo-nos pessoalmente, e assim nasceu o Diogo um menino lindo de olhos azuis e uma farta cabeleira tem agora 2 meses que também me levou ás consultas de alto risco do hospital. Mas também este nasceu perfeito e é lindo.

Resumindo, já tenho a minha conta de peripécias de partos difíceis mas passava tudo de novo pois são a coisa melhor que tenho e amo-os mais que a mim mesma.

Classificação
A sua opinião
[Total: 0 Média: 0]