Com três letrinhas apenas se escreve a palavra mãe

520
Testemunho
Testemunho

Desculpa mãe!!! Só no dia 22 de Outubro de 1998 percebi porque é que fazias questão em dizer que a tua quadra favorita era “com três letrinhas apenas se escreve a palavra mãe, a palavra mais pequena, mas a maior que o mundo têm”. A Maria nasceu nessa madrugada e toda a minha (quero dizer nossa) vida se alterou.

Desde que me lembro que existo como ser humano, que o meu maior desejo era ser mãe (tu própria dizias que era isso que eu respondia quando me perguntavam “o que queria ser quando fosse grande”)- uma mãe que não iria ralhar tanto, uma mãe que não se iria preocupar tanto (“já comeste?”, “tens que descansar mais.”, “onde estás?” “que tens?”, “com quem vais”) mas uma mãe que como tu, iria estar presente, contar histórias afagar cabelos… iria banir muitas coisas, mas seguir outras, pensava eu !!!!!

Também nesta tens razão – a alegria de saber que estava grávida foi tão grande como a alegria de ver nascer a Maria. Lembro-me dos saltos e gritos que dei dentro da farmácia, quando me confirmaram que o teste era positivo, o pai da Maria muito envergonhado “pedia-me calma”; recordo-me de ter pensado “Quero lá saber nunca mais vou ver nenhuma destas pessoas!”.

No dia a seguir quando acompanhava a minha cunhada às aulas de condução recebi os Parabéns de alguém que não conhecia. Virei-me para a “tia babada” e disse “bem também és cá uma linguaruda”. A pessoa da escola respondeu “não foi ela, eu estava na farmácia ontem quando lhe deram o resultado”. Mas eu não me importei., era assim mesmo que me sentia, com vontade de GRITAR ao mundo que ía ser mãe.

Desde o primeiro instante que também senti que ía ser uma menina (o meu ecografista tempos depois e antes de nos revelar o sexo do bebé, perguntou-me o que é que eu achava que ía ser, porque tinha por experiência que o 6º sentido das mães acertava sempre, engraçado não é). Sabia isto porque te “pedi” a Nossa Senhora de Fátima e tu foste essa “graça” concedida.

Não me canso também de dizer o quanto sou crente, porque parece que é suposto termos vergonha desta fé nos dias de hoje. Não tenho vergonha, tenho 30 anos e sou “católica, apostólica romana, praticante” e o teu nome daí advém…. “simplesmente Maria”.

… e agora mãe ? Já tenho o meu primeiro filho…será que vou conseguir amar um segundo tanto como o primeiro ? Será que vou ter espaço para uma “divisão de amores” ? E se gostar de um mais que outro ? Tu dizes-me que não, hoje e sempre, que nunca gostaste mais do meu irmão do que de mim ou da minha irmã. Que o teu “coração está dividido em partes iguais”!!!

Mas eu sempre tive dúvidas…. Sim apenas isto, porque o meu amor pelos meus irmãos não dava espaço a outros sentimentos. Acho que começei logo a praticar “este sentimento maternal” no meu irmão (sim os 5 anos de diferença assim o permitiram) – mas mais uma vez tens razão.

O Rafael nasceu dia 30 de Julho de 2001, com 36 semanas. Também aqui me apetecia gritar ao mundo esta minha alegria. Mas confesso, era uma “alegria” mais contida, mais saboreada, o receio tinha-se transformado quase em esquecimento – não fossem as constantes pressas do “Rafa” em querer sair e alguns problemas de saúde, quase não me lembrava que “outro meu bebé vinha a caminho”. Também aqui “pressenti” que era um rapaz. Mais uma vez o nome escolhido assume os contornos da minha fé. Sim, depois de alguns problemas de saúde Deus ajudou-me, zelou pelo meu bebé – sim, Rafael , “aquele que Deus curou”.

Obrigada mãe! Tens razão. O nosso coração pode dividir-se em partes iguais, é realmente possivel ter o mesmo amor infinito e completo por mais que um ser – é assim que me sinto e não me canso de dizê-lo.

Não me canso de gritar ao mundo que a única “coisa” que quero ser é mãe. Tudo o resto vem por arrasto:

  • sou uma profissional competente porque sou mãe
  • sou uma amante fogosa, porque sou mãe
  • sou alguém preocupada com a sua imagem, porque sou mãe
  • sou uma verdadeira mulher, porque sou mãe.

Mais uma vez, desculpa só ter compreendido tão tarde, que, quer eu tenha meses, quer eu tenha 50 anos, serei sempre o teu bebé, como os meus filhos o são para mim. Também hoje entre histórias e lenga-lengas quando a Maria e o Rafael me perguntam, “ Mamã, qual é a tua rima preferida ?”, eu respondo-lhes “com três letrinhas apenas se escreve a palavra mãe, a palavra mais pequena, mas a maior que o mundo têm”.

A sua opinião
[Total: 0 Média: 0]