Os pais e a criança destra ou canhota

Muitos pais ainda continuam a ver o uso da mão esquerda dos filhos como algo de errado, em parte porque se recordam dos problema que tiveram de enfrentar pelo facto de ser uma criança destra ou canhota.

Na infância pode haver problemas emocionais por parte da criança esquerdina quando esta não conseguir usar os objetos do dia a dia, porque o faz com a mão esquerda. Cabe aos pais ensinarem a criança destra a usar todas as suas capacidades sem recorrerem ao velho ‘truque’ de a obrigar a usar a mão direita.

Não há dois esquerdinos iguais e cada caso deverá ser considerado como caso único e singular, possuindo cada criança esquerdina as suas próprias características específicas. É em função destas que se deve delinear a estratégia educativa a adotar. Cada caso será avaliado pelo psicólogo, a que se seguirá o aconselhamento aos pais e educadores sobre as melhores aplicações dos princípios educativos.

Letras ilegíveis e inversão de letras são os problemas mais frequentes em crianças que são forçadas a mudar o uso da mão esquerda para a direita. Os canhotos têm tendência a dobrar o punho quando escrevem, e esta postura deve ser corrigida porque, além de cansativa, pode causar deformações na coluna. O certo é escrever com a folha inclinada a 45°.

Nas escolas, os livros, os cadernos e a própria escrita, a orientação da luz na sala e muitas outras particularidades, estão quase sempre apenas previstas em função dos destros, e as crianças canhotas não são ensinadas sobre a melhor forma de se orientarem em relação à luz, qual a posição correta, como colocar os braços e as mãos sobre o papel, e como orientar este, a melhor forma de segurar na caneta e desenhar as letras com a mão esquerda, entre outros factores. Quando a lateralidade da criança é indefinida ou ligeiramente esquerda, aconselha-se uma educação da direita, embora de forma controlada, sob a observação do psicólogo, eventualmente parando e optando pelo esquerdismo, ao mínimo sinal de perturbação emocional.

Se a lateralidade é nitidamente esquerda e resistiu aos primeiros anos de uma retificação por parte dos pais, é necessário encorajar o esquerdismo, realizando ao mesmo tempo um esforço para ‘apagar’ da memória da criança todos os problemas ou sentimentos de inferioridade que esta possa ter sentido.

No caso de se decidir educar a mão direita de um esquerdino, há que ter em conta um certo número de precauções que passam por levar a que a criança aceite esta aprendizagem como um enriquecimento, evitando qualquer forma de rigor, deixando a criança utilizar a mão esquerda quando quiser, e dando-lhe inteira liberdade nas ações que realizar.

Algumas crianças que são destras podem utilizar espontaneamente a mão esquerda em todas as ações da vida quotidiana, ao mesmo tempo que podem aprender a escrever com a mão direita sem dificuldades. Porém outras não o conseguem fazer, voltando ao uso da mão esquerda ao fim de algumas tentativas com a direita.

Neste caso é necessário que os pais tomem medidas no sentido de ajudá-las a ultrapassar algum sentimento de frustração que possa ter surgido pelo seu fracasso em escrever com a direita.

Quando uma criança é ambidestra, a pior situação em que se poderá encontrar durante a aprendizagem, poderá iniciar-se um adestramento à direita, com todos os cuidados, porque nesta fase ela não é boa nem à esquerda nem à direita, e pode encontrar problemas no uso de qualquer das mãos.

Por parte dos pais, deve existir uma observação da criança para saber em que situações emprega o lado esquerdo e que partes do seu corpo utiliza preferencialmente e nunca contrariar a tendência natural da criança, criando-lhe antes um clima em que esta se sinta em liberdade e possa realizar as tarefas de forma espontânea.

Os pais devem ainda proporcionar-lhe jogos onde possa desenvolver a destreza manual, com brinquedos em que tenha de fazer construções, encaixes, enfiamentos, recortes, colagens, modelagens, desenhos com esferográficas de várias cores, entre outros. 

Quando a criança entrar no jardim escola, deve continuar a existir entre os pais e as educadoras um permanente contacto, em que são estabelecidas as formas conjuntas de apoio à criança e a melhor forma do seu adestramento.

É necessário que os pais dominem a sua ansiedade perante o esquerdismo do filho e as dificuldades que ele pode vir a apresentar. Muitos destes receios não são verdadeiros e a ansiedade é extremamente contagiosa e só causa problemas ao normal desenvolvimento da criança. Quando falar com o seu filho, faça-o notar que pode vir a ter alguns problemas usando a mão esquerda, mas diga-lhe também que grandes personalidades da história foram canhotos e nem por isso deixaram de se evidenciar.

Faça-lhe notar que não se trata de nenhum problema, o fato de ser destro, e que é mesmo natural que na família tenha outros casos iguais.

Classificação
A sua opinião
[Total: 0 Média: 0]