O Guia da Vacinação

A vacinação é sempre um mundo de dúvidas para os pais. Nunca se sabe a altura exacta em que devem ser vacinados, e qual a devida vacina a aplicar.

Os seus filhos precisam ser devidamente protegidos de toda e qualquer doença, de forma a manter a sua saúde em perfeitas condições. Mantenha o seu filho vacinado, para que fique totalmente protegido. A atualização é importante, tal como o método a seguir. Aqui ficam as devidas orientações

Vacine os seus filhos:

As vacinas são o melhor amigo da saúde dos seus filhos e disso, não tenha a menor dúvida. Protegem-no de possíveis contágios indesejáveis, que a qualquer altura se podem manifestar.
As doenças infantis são graves como qualquer outra doença que se instala nos adultos, mas as vacinas são de uma variedade tal, que dão a ideia que a criança é imune a qualquer doença. Porém, as coisas não se passam bem dessa forma. Existem ainda crianças, que são contagiadas pela hepatite ou pelo sarampo. Este pode ser um contágio de fácil resolução, mas os problemas surgem posteriormente e podem mesmo ser fatais, se não forem devidamente protegidos com a vacina.
As vacinas são demasiado importantes para serem ignoradas pelos pais. Os seus filhos são protegidos por elas, de muitas doenças e contágios, permitindo que a sua infância não fique marcada por nenhuma cicatriz.

O risco de não vacinar os seus filhos:

As doenças podem ou não atacar, é por isso, sempre um risco que se corre. As crianças são facilmente contagiadas por doenças inesperadas e imprevisíveis, portanto a prevenção é extremamente importante. As doenças transmissíveis saltam muito rápido de pessoa para pessoa, e o seu filho pode de repente começar com tosse, febre, ou problemas na respiração. A surdez, a cegueira ou a paralisia podem, de um momento para o outro, apanhar o seu filho, se este não for vacinado corretamente.

O funcionamento das vacinas:

As vacinas funcionam eficazmente, ou pelo menos, o risco de contágio de certas doenças é muito menor. O impacto nas doenças contagiosas é, sem dúvida, quase brilhante.

A altura das vacinas:

Deve ser iniciada, desde muito novos, ou seja, desde que são bebés. É errado pensar-se que a altura ideal, é quando vão para a escola, pois como estão em contacto com mais crianças, os riscos são maiores.

Para uma boa vacinação, deve consultar o seu pediatra ou o posto de vacinação da sua zona. Mas, convém saber desde já que, as primeiras vacinas devem ser dadas, logo à nascença e a maioria delas, ao longo dos dois primeiros anos de vida. Um eventual atraso, deve ser corrigido até aos sete anos ou então, dos sete aos dezoito anos, para que os problemas não surjam com o desenvolver da adolescência e com a fase adulta. As consequências aí, podem ser catastróficas.

As vacinas necessárias:

VASPR – o seu filho é protegido do Sarampo, da Papeira e Rubéola.
Polio – (OPV ou IPV) – protege contra a Poliomielite
DTP – aplicável ao combate da Difteria, Tétano, e Tosse Convulsa (o termo correcto é Pertussis). Quando a criança já tem mais idade, é dada a DT, retirando-se a Pertussis, ou a TD, que é o Tétano com dose reduzida de difteria.
HBV – previne a Hepatite B, uma doença grave que afecta o fígado.
HIB – previne contra um agente provocador de meningites, o Haemophilus Influenza.
BCG – protege o seu filho, contra as formas mais graves da tuberculose.
MenC – previne meningites e septicemias causadas pela bactéria meningococo.

 O custo das vacinas:

Não se preocupe com valores monetários, pois as vacinas estão inscritas no Programa Nacional de Vacinação, e os custos pertencem ao Estado. O custo das vacinas é totalmente gratuito.

Segurança das vacinas:

As reações são extremamente raras, e caso surjam é apenas num período pós vacinal. Normalmente, são reações vacinais benignas, de curta duração. Uma reação pós vacinal é menos provável de acontecer, do que apanhar uma doença, se não fôr vacinado contra a mesma.
A dor da vacina:

A proteção do seu filho é mais importante, do que qualquer dorzinha que ele possa sentir ao ser picado pela agulha. Um inchaço no local da vacina pode ocorrer, mas é algo apenas temporário. Se ele chorar, que é o mais habitual, não se preocupe, a sua pele é muito sensível e qualquer dôr pequena, obriga logo à queda de umas lágrimas. Esteja ao seu lado, e faça-o compreender que aquela dôr é para o bem da sua saúde.

A atuação das vacinas:

O nosso corpo possui anticorpos, que nos ajudam a proteger de certas doenças. Quando um vírus nos invade, são eles responsáveis pela expulsão desse invasor ou bactéria. Os anticorpos permanecem no nosso corpo durante muito tempo, no decorrer e após a doença.

Esta imunidade à doença, existe nos bebés, mas só até ao primeiro ano de vida. Os anticorpos que recebe da placenta da mãe, têm uma vida muita curta. Assim, a vacina injecta no nosso organismo agentes provocadores de doenças, e o corpo passa a produzir anticorpos, que se propagam e permanecem, por um duração de tempo muito longa. A criança fica assim, imune à doença, sendo protegida em qualquer altura.

Afinal, o que é o Programa Nacional de Vacinação (PNV)?

O PNV integra as vacinas que são consideradas mais importantes para a defesa da população portuguesa e é da responsabilidade do Ministério da Saúde.

As vacinas que fazem parte do PNV podem ser alteradas de um ano para o outro, em função da adaptação do Programa às necessidades da população, nomeadamente pela integração de novas vacinas.

Classificação
A sua opinião
[Total: 0 Média: 0]