Necessidades alimentares: uma boa ementa

As crianças necessitam de se alimentar corretamente. A elas não basta dar qualquer coisa a comer, pois o que precisam é de uma alimentação rica para se desenvolverem devidamente.

As crianças têm necessidades alimentares. Necessitam de proteínas, gorduras, sais minerais, vitaminas e hidratos de carbono, ainda que algumas destas variedades devam ser administradas em doses moderadas e reguladas corretamente, para que mais tarde não venham a surtir efeitos nefastos. Portanto, aquilo que as crianças precisam para o seu organismo e crescimento, varia consoante a sua idade.

Antes de atingir os seis meses de idade são necessárias 108 calorias por quilo. Após esta idade e até ao primeiro ano de vida, o número de calorias diminui para 98. Seguidamente e até aos 3 anos, o ideal serão cerca de 102 calorias para confirmar o seu crescimento e a sua saúde. Todas as componentes de alimentos, que anteriormente foram referidas, devem ser administradas na alimentação das crianças em quantidades razoáveis. Aliás, uma das formas de ter a certeza que a criança está satisfeita é quando ela deixa um pouco da sua refeição no prato. Se ela não quer mais é porque não tem mais vontade, e portanto, está de barriguinha cheia.

Para as crianças até aos seis meses, e que se alimentam de leite materno, o ideal é dar-lhe 500 a 600 ml do seu leite, embora se estiver a alimentar o seu filho com leite em pó a quantidade deva ser a mesma. Entre os 6 meses e o primeiro ano de idade, independentemente de estar ou não a dar-lhe peito, dê-lhe cerca de 400 ml de leite (proteínas), alguma batata (regulador) e cenoura cozida (regulador), laranja (regulador), aveia (energético) e frango ou carne de vaca cozida(proteínas).

A partir do primeiro ano e até aos 3 anos de idade mantenha os alimentos anteriores, e acrescente também pão (energético), feijão (proteínas), margarina (energético) e fruta (regulador). Todavia, dever ter em conta que estas são as nossas sugestões, porque estes alimentos podem perfeitamente ser substítuidos por outros, desde que continuem a contribuir com as suas funções de reguladores, energéticos e proteicos.

No leque de produtos alimentares que conferem energia à criança incluem-se o arroz, as bolachas, bolos, o açúcar, esparguete, cereais integrais, manteiga e azeite. Daqueles que atribuem uma vasta gama de proteínas registam-se a carne de vaca, frango, fígado, rins, coração, moelas, ou a carne de porco. Desta vasta categoria não podemos esquecer o leite, os ovos, o queijo, os iogurtes, o feijão, ervilhas ou mesmo o milho.

Os alimentos considerados reguladores do organismo podem ser todos os generos de fruta: ameixa, banana, cereja, laranja, maçã, uva. Da família dos reguladores fazem parte também os legumes, desde a cenoura, tomate, pimentão, a batata doce, o pepino, a alface, o agrião, a couve, os brócolos, espinafres ou mesmo as cebolas.

Tenha em atenção à idade dos seu filho e, consoante a nossa sugestão e o tipo de alimentos, pode vir a substitui-los por outros da mesma categoria: em vez do feijão o seu filho pode preferir as ervilhas, e em vez do arroz ele pode preferir a esparguete.

O efeito e a ação dos alimentos é a mesma, desde que se inscrevam na mesma gama. O que importa é seguir com atenção a linha de alimentos e as suas específicas funções, porque depois a escolha é somente do seu pequenote.

Classificação
A sua opinião
[Total: 0 Média: 0]