Como ensinar o bebé a comer sozinho e sem ajuda

É o sonho de todos os pais e a preocupação da maior parte: que a criança coma sozinha e com apetite. No entanto, muitas crianças recusam-se a comer o que têm no prato, obrigando a longas sessões de promessas, ameaças e muito desgaste para ambas as partes.

Os psicólogos afirmam que estes problemas com a comida se ficam a dever a perturbações no desenvolvimento normal da ingestão de alimentos e da sua relação para com a comida.

Mesmo as crianças mais pequenas gostam de levar a comida à boca, mexer na colher e espalhar os alimentos à sua volta. Deve sempre incentivá-la, mesmo que isso signifique algumas horas a limpar os despojos de guerra. A criança vai meter a mão no prato, lambuzar-se, sujar-se e nem todos os adultos têm paciência.

Criança começa por comer com a mão

Comer pela sua própria mão é o princípio da autonomia da criança, além de incrementar a sua capacidade manual. Infelizmente muitos pais negam esse prazer às crianças, insistindo em dar-lhe a comida à boca e levando a cenas à hora da refeição.

Ensinar a criança a comer com talheres

Se o que preocupa os pais é o facto dela não conseguir segurar ainda o garfo e a faca, é porque ainda deve ser pequena demais, sem a necessária coordenação motora. Cabe, como sempre, aos pais ensiná-la gradualmente a usar os talheres para não se sujar, permitindo-lhe de vez em quando usar as mãos (os adultos também as usam e sabem o prazer que isso dá), nunca descurando a liberdade que deve ter para apreciar o acto de comer.

Assistir à forma como a família come à mesa irá dar à criança a ideia certa da forma como deve actuar, ao mesmo tempo que tira prazer de brincar com a comida.

Os bebés nunca recusam uma refeição, mamando sempre com prazer, mas nem sempre os adultos respeitam o prazer que leva as crianças a comer.

No primeiro ano, o bebé aumenta de peso quase todos os dias, mas a partir dessa altura, deixa de ter tanto apetite, aumentando apenas cerca de dois quilos em todo o ano, mas as mães ficam demasiado nervosas com a situação, pensando logo em doenças.

Por isso levam as crianças ao médico, que acaba por receitar alguns remédios para “abrir o apetite”, que podem mesmo ser perigosos, provocando hipoglicemia, sonolência ou agitação, ou forçam-nas a comer, criando uma relação errada de obrigação para com a comida, em vez de uma relação de prazer.

Também a angústia que os pais apresentam face à recusa das refeições pode ser um empecilho a uma relação saudável com a comida, e muitos pais chegam mesmo às ameaças e pancadas, que apenas vão causar maior pressão.

Outro problema coloca-se na vida sedentária que as crianças levam frente à televisão, o que é o oposto da vida saudável de saltos e brincadeiras que realmente lhe abririam o apetite. A televisão vai apenas despertar-lhe o interesse para os produtos anunciados, a maior parte dos quais sem qualquer qualidade nutritiva.

Uma boa solução para as crianças que fazem birra na hora das refeições é não forçar, mas assim que levantar a mesa, retirar da vista todos os alimentos, inclusive a fruta, proibindo todos os parentes próximos de lhe dar nem que seja uma bolacha. Dois dias depois, se as birras persistirem, mantenha o mesmo método, mas comece a espalhar pedacinhos de pão seco pela casa, em locais onde ela possa chegar e ver. Verá que eles desaparecem.

Em todo o caso, nunca ceda a comprar-lhe petiscos apenas porque não almoçou. Se a criança persistir em não comer, é melhor procurar ajuda médica, porque podem estar por detrás outros problemas.

Mesmo que esteja preocupada com a situação, tenha em conta que o instinto de preservação da criança é muito mais apurado do que os pais pensam, o que a levará a comer mais cedo ou mais tarde, muitas vezes longe dos pais.

Por outro lado, os elogios exagerados a uma criança que comeu tudo, levam-na a comer sempre mais para ser elogiada, especialmente se essa for das poucas atenções que recebe dos pais (e sabemos que muitas famílias apenas se reúnem durante uma refeição).

Abusar dos doces para compensar a comida que não foi ingerida não só é errado como contraproducente, uma vez que vai estar a privar a criança de vitaminas, fibras, sais minerais e outros nutrientes essenciais.

Outros pais reforçam a alimentação com suplementos proteicos e vitaminas, geralmente misturados no leite o que resulta numa luta do organismo contra o excesso de proteínas, e a criança não vai suportar comer carne. O excesso de vitaminas também pode intoxicar e tirar o apetite.

Hoje em dia, a grande atracção alimentícia das crianças passa pelos fast-foods. Hambúrgueres ou pizzas fazem as suas delícias, mas também são prejudiciais à saúde por apresentarem apenas proteínas e gorduras saturadas. Cada refeição é equivalente a 100 calorias, quase tudo o que uma criança entre os 2 e os 7 anos precisa em todo o dia.

Mas não é preciso privar a sua criança deste pequeno prazer. Uma vez por semana é suficiente, se ele for dos que pede para ir sempre, ou então de cada vez que for fazer compras. Mais do que isso é arriscar à obesidade.

A relação com a comida começa nos primeiros meses e mantêm-se para toda a vida e é aos pais que cabe o papel principal em ensinar e fazer com que essa relação seja saudável e duradoura.

Classificação
A sua opinião
[Total: 1 Média: 5]